Saltar para Conteúdo Saltar para Navegação
Álbum La La La Ressonance, The Astroboy

Faust

Depois de uma ausência de edições demasiado longa, os La La La Ressonance regressam com um longa-duração bom demais para ser ignorado. Faust tem a matéria e a humildade para se revelar como um dos registos do ano.

Data de Edição
2012
Editora
PAD
Géneros
Avant-garde, Jazz, Post-Rock
Por André Forte 4 de Maio, 2012

É essencial reconhecer que o post-rock percorre as ruas da amargura. E é essencial perceber que, ao contrário do que se pinta, o género está longe de se ficar pela escola dos Mogwai, dos Slint e dos Godspeed You! Black Emperor, e pelas suas ramificações de intenções mais pesadas. A atitude rocker, irreflectida e puramente primitivista é imediatamente colocada de lado pelos La La La Ressonance, que não ingressam nas linhas da música que temos hoje. É de olhos postos na tela de projecção que surge Faust, uma banda sonora para o interior da mente humana, em que as paisagens são preteridas para dar lugar à filosofia e à metafísica.

Sabe-se, por isso e facilmente, que o que é difícil de catalogar e é instrumental leva a etiqueta do pós-qualquer coisa. Os La La La Ressonance são póstumos a muitos e diferentes percursos e, uma vez mais, conseguiram englobar num registo diferentes perspectivas sobre um mesmo assunto, num registo complexo em que a melodia não se subordina à harmonia. Não quer isto dizer que haja algo fora do sítio – seria impossível num disco que parece ter a precisão bela do matematicamente sentido –, mas, sim, que Faust é, em última instância, um exercício estético belo como poucas bandas, ou nenhuma em Portugal, conseguem fazer.

A começar na rítmica Go back n’ Fetch It, onde tudo é melodioso, desde o baixo, com a sua presença estratégica, até à bateria, a chegar a (always read the) Small Print, onde a guitarra parece destoar sistematicamente até que o cérebro a assimile na música – o que, diga-se, desbrava terreno para que um saxofone solte um momento de free jazz, num desvario louco –, todo o disco dos minhotos assume a postura de um post-rock que não tem objectivos, ocioso e, por isso mesmo, cheio de possibilidades. O especial em Faust, é tê-las concretizado a todas, mesmo com assimilação das contribuições etéreas do colega de editora The Astroboy, e sem excluir os momentos de rock com os quais, à partida, não se identificariam, como acontece, e bem, com a faixa-título.

Os La La La Ressonance não pariram um disco de fácil assimilação, mas não será difícil perceber que o silêncio a que se têm remetido desde o lançamento de Outdoor, lançado em 2009, não deveria ter sido tão longo. Digam-se as verdades: estes senhores são uma instituição à espera de reconhecimento. Pois, souberam-no aqui primeiro.