Saltar para Conteúdo Saltar para Navegação
Milhões de Festa 2014
Reportagem

Paredes de Coura 2012 - dia 0

As temperaturas não são as que se esperariam de um mês de Agosto e, por causa disso ou talvez não, também a recepção ao campista muito morna e praticamente sem brilho.

Por João Ruivo 16 de Agosto, 2012

Pela altura em que começou a vigésima edição do Festival Paredes de Coura já muitos dos festivaleiros tinham sobrevivido a uma série de noites violentas na Vila (as festas populares que antecedem o festival continuam a ser um dos pontos altos). Não que isso cause mossa ao espirito da maior parte do pessoal - é sabido que a resistência do público de Coura é admirável.

Para além de fria, a primeira noite no recinto foi também molhada. Depois da actuação dos Brass Wires Orchestra (que tiveram honras de abertura) e já com os Salto em palco, a chuva fez questão de, como habitual em Coura, testar o sistema imunitário e a paciência dos festivaleiros. Quem mais beneficiou das condições adversas foram os Salto que, por causa da corrida por abrigo, acabaram por ter uma multidão mais compacta. Depois de alguns problemas sonoros iniciais a dupla portuense acertou o passo e o público conseguiu desfrutar melhor da sua pop ora dançável, ora melancólica.

Se houve altura em que as palminhas ritmadas do público foram pertinentes, foi no concerto dos League. A banda começou a sua actuação com bastantes synths alegres mas terminou num toada mais electrizante onde a guitarra ganhava protagonismo sobre as teclas e a veia rock da banda transpareceu melhor. Embora não tenhamos ficado completamente convencidos, o público parece ter gostado e foi respondendo com entusiasmo e vontade de fazer a festa.

Sobre o concerto de B Fachada há pouco de bom para dizer. Foi desolador assistir a um espectáculo onde nada parecia correr bem, onde as músicas não soavam como deviam e onde o protagonista chegava a parecer perdido. O cantautor português já deu provas de ser capaz de fazer melhor e talvez esta tenha sido apenas uma noite menos boa, mas deste concerto apenas retiramos uma conclusão: há muita gente quer fumar com B Fachada e isso talvez explique muita coisa.

Para o fim ficou um Dj set de Joaquim Albergaria que, infelizmente e contra dezenas de pedidos, incluiu Beyonce e não The Smiths. Foi pena, mas para deleite de muitos festivaleiros, a menina de top branco, calções de ganga e texanas que dançava à chuva parecia animada.